Release [JUN 2016]Cultura de Drenagem pode ajudar a aliviar os sistemas de abastecimento

A pressão sobre recursos hídricos pode ser reduzida com o controle das demandas. Reutilizar a água faz parte de uma mudança de cultura, uma vez que a preocupação aumenta na proporção em que as alterações climáticas afetam a rotina, como em enchentes ou períodos de seca prolongada, em que a água disponível para consumo fica escassa.

Cada vez mais projetos e obras têm sido pensados para influenciar a mudança de comportamento frente ao consumo – em casa e na sociedade. Segundo levantamento global da Unicef e da World Health Organization (WHO), divulgado em julho de 2015, a falta de progresso nos serviços de saneamento básico ameaça minar os avanços obtidos com o maior acesso a água potável no mundo, especialmente nas áreas de saúde pública e sobrevivência infantil. Coletar água é, portanto, uma política que permite maior controle do gerenciamento do recurso, a fim de evoluir no desenvolvimento de técnicas de tratamento de água.

E porque isso é tão importante?

Dados da Organização Mundial da Saúde (OMS) e da Sabesp mostram que, fazendo economia, o consumo moderado de água para uma pessoa em um apartamento seria de 49,6 litros diariamente. Isso porque o maior gasto seria o de um banho, com consumo de 24 litros, em oito minutos; um vaso com descarga acoplada, usado 3 vezes ao dia, leva mais 18 litros de água pelo ralo. Somam-se 3,2 litros para lavar a mão quatro vezes ao dia; 2,4 litros por escovar os dentes 3 vezes ao dia; e mais 2 litros de água potável para beber.

E se ao menos substituíssemos os 18 litros de água tratada do vaso sanitário (segundo maior gasto diário) por água coletada da chuva? Em cada casa?

Drenar é o primeiro passo

O Japão é um dos maiores consumidores de água do mundo, assim como Estados Unidos, Índia, China e Paquistão, países muito populosos. Para garantir o recurso para a população, por quase cem anos os japoneses desenvolveram sistemas integrados de gestão, voltados para a criação de formas diversas de captação de água. Os sistemas de coleta consideram a captação da água de mananciais e reservatórios naturais até a importação da água de outros países, além da proteção física da população contra eventos como alagamentos e inundações.

De um modo geral, com o crescimento populacional e a crescente impermeabilização da malha urbana aumenta a necessidade de abastecimento de água. A agricultura em grande escala, a criação de indústrias e até abastecimento de novas áreas residenciais também aumentam o consumo constantemente.

Segundo a Unesco, mantendo os padrões atuais de consumo, em 2030 o mundo enfrentará um déficit de abastecimento de água de 40%. Os dados fazem parte do Relatório Mundial das Nações Unidas sobre o Desenvolvimento de Recursos Hídricos 2015 – Água para um Mundo Sustentável. Esse documento diz ainda que a possível falta de água está relacionada a práticas agrícolas inadequadas e à poluição, o que prejudica a oferta de água limpa no mundo. A demanda deve crescer 55% até 2050, quando mais de 6 bilhões de pessoas viverão em áreas urbanas.

Na Alemanha, há mais de 70 anos, a ACO pensa maneiras de criar tecnologia desenvolvendo soluções que coletem água e que permitam tratar, reter e destiná-la de maneira controlada, impactando diretamente a gestão desse recurso na natureza, nos sistemas de abastecimento e tratamento. Esse gerenciamento pode ser feito com práticas padronizadas de reutilização que sirvam a diversos ambientes – residenciais, empresariais, áreas produtivas ou áreas de uso comum (públicas).

O reuso pode ser definido como uso de água de qualidade inferior, tratada ou não. “Os grandes diferenciais em drenagem da ACO são a tecnologia e a versatilidade, para que a aplicação de soluções possa ser replicada em escalas diversas e para que faça parte de um conjunto de medidas que aumentem a eficiência com que a água pode ser utilizada. Na ACO a tecnologia serve para manter os ciclos de água limpa na indústria, agricultura, transporte e comércio, e proteger o meio ambiente. Por esse motivo fabricamos soluções voltadas para águas pluviais, água de superfície (depositada no pavimento), água industrial (utilizada em processos fabris) e água residual (misturada com materiais como óleo, metais pesados, entre outros)”,explica o engenheiro e diretor da ACO Brasil, Fernando Hermann Wickert.

Outro ponto importante para a gestão eficaz da água é a preservação do ciclo hidrológico, que inclui enchentes e secas e sofre alterações em sua qualidade e quantidade por conta de sua interação com o meio ambiente. Nesse sentido, o aperfeiçoamento de tecnologias é um dos caminhos vitais para proteção contra poluição. Medidas voltadas ao controle e gestão da água acabam por reduzir a sobrecarga nas redes públicas de drenagem e melhoram a qualidade da água utilizada pela população, de maneira geral.

Captar a água da chuva também pode ser uma alternativa inteligente e de contribuição efetiva aos sistemas urbanos de contenção. Bons exemplos são os piscinões e até sistemas de drenagem tradicionais, que destinam a água diretamente para as bacias de abastecimento. “Quando você capta a água e direciona o seu escoamento, minimiza o impacto que uma chuva forte pode causar na malha urbana. Vemos que a drenagem projetada na maioria das grandes cidades não previa mudanças climáticas como as que estamos vivendo. Responsabilizar-se por essa destinação é uma tendência e uma maneira de repensar não só os espaços urbanos, mas também a preservação da água”, complementa o diretor da ACO Brasil.

Portanto: medidas simples ou sistêmicas representam saídas viáveis para aliviar os sistemas urbanos de tratamento. Sob aspectos práticos, um sistema de drenagem composto por canais utilizados para coletar água e direcioná-la para separadores para pré-tratamento são exemplos factíveis de uma mudança de cultura.

Coleta de água na prática

Um bom exemplo de solução oferecida pela ACO são os sistemas de drenagem compostos de canais fabricados em peça única (em formato monolítico), chamado ACO Monoblock®. É constituída de concreto polímero, uma mistura de agregados minerais e resinas especiais, e garante altíssima capacidade hidráulica, contando com uma linha completa de acessórios, que inclui caixas de limpeza, canais de inspeção, tampas, que asseguram alta performance em casos de chuvas fortes ou risco potencial de enchente.

A empresa também lançou no Brasil o ACO Stormbrixx®, que é um sistema modular exclusivo fabricado em polipropileno (PP) reciclado, ideal para contenção e armazenamento de águas pluviais. Além de ser completamente customizável no tamanho e formato, o tanque tem 95% de vazios, ou seja, espaços disponíveis para guardar água e pode integrar sistemas de drenagem com altíssima versatilidade de aplicações.

O comprometimento da qualidade da água pode inviabilizar seu uso, técnica e financeiramente. As soluções da ACO minimizam o impacto do processo anterior ao tratamento, o que influencia definitivamente todo e qualquer custo de operação em que ela está inserida. Pensar a drenagem e projetar assertivamente o volume de escoamento da água faz parte da cultura de drenagem e ajude a diminuir não só o risco de inundações como o de contaminações.

A ACO avalia as necessidades do cliente, dá suporte ao projeto de drenagem e acompanha o processo de instalação de suas soluções na obra.
Um projeto integrado de gestão de águas pluviais eficaz é aquele em que todo o recurso é captado, previamente tratado (com a separação de impurezas como o óleo, por exemplo), retido (guardado, armazenado) e destinado de maneira correta e controlada no meio ambiente e sistemas públicos de tratamento.

As soluções da ACO estão presentes em locais como o túnel do Anhangabaú (SP), aeroportos de São Gonçalo do Amarante (RN), Galeão (RJ) e Viracopos (SP), nos estádios que sediaram a Copa do Mundo em 2014 como o Maracanã (RJ), o Castelão (CE), entre outros e as rodovias Dom Pedro, Imigrantes e Cônego Domênico (SP), rodovia Freeway (RS), porto de São Sebastião (SP), o autódromo de Interlagos e o circuito Indy 300 (SP), além de indústrias, postos de combustíveis e obras residenciais em todo o país, influenciando a vida de milhares de pessoas, diariamente.

ACO Brasil: tecnologia de drenagem

A ACO é uma empresa alemã, líder mundial em soluções de drenagem, com um faturamento estimado em 705 milhões de euros em 2015. Estabelecida no Brasil desde 2010, a sede nacional fica na cidade de Jacareí (SP), no Polo Industrial Municipal. Há dois anos, a taxa de crescimento da empresa ultrapassa a média de 30% ao ano e a marca já influencia o dia a dia de milhares de brasileiros em aeroportos, rodovias, portos, shopping centers, vias, residências, estádios e centros esportivos de excelência no país. Concentrada em cuidar da água, a ACO desenvolve sistemas de alta tecnologia para captar, tratar, reter e destinar recursos hídricos, garantido segurança e qualidade desde a concepção de cada projeto.

Alinhavo Assessoria

Entre em contato: imprensa@acodrenagem.com.br